26º, 27º, 28º, 29º e 30º Arariboards

Março terminando, é chegada a hora do resumo das jogas do Arariboard. Este mês contando com a colaboração dos amigos desbussolados Fab e Arnie.

  26º Arariboard (03/03/13)                                                                                                                     
Por Fabrício Mello

Domingo éramos cinco na mesa: Renata, Marcio, Mike, Eduardo e o abaixo assinado. Brito furaribou em cima da hora. Jogamos dois jogos.
Primeiro, Strasbourg, trazido pela Renata, um euro bem ágil com leilões e controle de área. Eu preciso jogar uma segunda vez para emitir opinião, e até gostaria, mas a Renata jamais deixará eu me aproximar de novo do jogo, e provavelmente de qualquer outro dela…
Colocação:
Michael 49 pontos
Renata 44 pontos
Fabrício 40 pontos
Marcio e Eduardo 34 pontos

Depois, jogamos o meu Galactic Emperor. Acho que todos se divertiram; o nosso grognard Eduardo, que andava carente de jogos de guerra, se amarrou no jogo e chegou a falar de comprar um pra ele. Eu, de minha parte, confirmei que o jogo é bem equilibrado e azeitadinho. A partida fluiu bem e terminou em exatamente 3 horas, o que considero ótima duração para uma sessão inaugural, com mesa cheia, de um jogo de exploração e conquista tipo Twilight Imperium. Cheguei a mandar uma mensagem sobre isso para o designer (Batman) no BGG e ele respondeu agradecido.

Colocação:
Eduardo 37 pontos
Fabrício 37 pontos
Marcio 36 pontos
renata 34 pontos
Michael 23 pontos

  27º Arariboard (10/03/13)                                                                                                                     
Por Arnaldo Carvalho

Pela segunda vez, duas mesas! Nessa noite o povo experimentou o cardgame de Shadows over Camelot, antes de minha chegada.

Cheguei e mostrei rapidamente três joguinhos que levei como opção (Kingdoms, King of Siam e Iluminatti: NWO). Então chegou minha filha Clara, estreando no Arariboard, e, havendo seis pessoas, foi decidida a divisão do grupo em duas mesas. Em uma rolou Agrícola enquanto noutra, King of Siam.

O Agrícola foi ensinado por Brito para Clara e Marcio, que gostaram muito e não se saíram mal para primeira partida, encostando em pontuação no Brito.

No mesmo tempo do Agrícola, o Siam pôde ser jogado duas vezes na outra mesa. Na primeira, vitória de Fabrício, que “controlou” o jogo desde o princípio. Na segunda, tudo podia acontecer até o último ato, e terminou com vitória minha, nas condições de desempate mais extremas. O mesmo jogo, duas manifestações completamente diferentes.

Talvez um dia valha a pena escrever sobre o King, mas o que posso reafirmar aqui é que trata-se de uma mecânica muito distinta das do Euro comum. Lembro, porém, aos interessados, uma análise de Fabrício, quando bem disse ao final da segunda partida: “os jogos normalmente terminam com você expandindo sua árvore de possibilidades. No Siam é invertido, termina-se com muita escassez, mas isso é feito não só mantendo, mas desenvolvendo um clima de tensão em torno dos acontecimentos”. É realmente um game a ser experimentado por todos!

A noite foi tranquila e agradável, saímos mais uma vez com ótima impressão do nosso mini-evento e da qualidade humana de nossos novos amigos.

  28º Arariboard (17/03/13)                                                                                                                     
Por Rê Palheiros

Lançamento da última Essen, o domingo foi dedicado exclusivamente ao Myrmes. Jogo com temática super original, nos propõe o controle de um formigueiro, desde o nascimento das larvas, seu desenvolvimento para formigas operárias e soldados, até a obtenção de recursos para o desenvolvimento e manutenção do formigueiro. Falando assim parece ser só mais um euro, econômico com work placement (que eu adoro), mas não é, tem sua originalidade.

detalhe da superfície

Temos que administrar dois ambientes, a colônia que cuida das formigas, e o ambiente externo, a superfície. Nesta, a idéia é usar peças meio tétris, meio quebra-cabeças, para ocupar o território o melhor possível e dele obter recursos como comida, terra e pedra que melhorarão a estrutura do formigueiro. Além de ataques a outros insetos. Não é preciso dizer que em poucas jogadas o espaço fica escasso, e pequenos combates são realizados contra os formigueiros adversários.

tensão em busca da melhor jogada

Estava com medo de ser um jogo muito heavy pelos comentários que tinha lido, mas não. É um jogo cerebral sim, mas médio, dá pra levar na boa. Nossa partida durou 3h mas confesso que não senti, e tinhamos 3 pessoas jogando pela primeira vez. Com certeza esse tempo pode baixar nas próximas partidas.

Expectativa positiva confirmada!

Colocação:
Brito 80 pontos
Renata 54 pontos
Fab 45 pontos
Graça 40 pontos

formiga perdida no caminho errado!

  29º Arariboard (24/03/13)                                                                                                                     

Dando as boas vindas a mais um membro da família Arariboard, Rafael! 
Semana atípica, quando pela primeira vez Brito não levou nenhum jogo, nem Fabrício. Eu tive que furariboardar devido as dores lacinantes do siso, e a pátria foi salva justamente pelo convidado, que levou dois jogos.
Rafael, Brito, Fab e Mike disputaram várias partidas de Tsuro. (sem registro de score) e em seguida foi a vez do cooperativo Castle Panic. E eles conseguiram vencer os monstros!

  30º Arariboard (31/03/13)                                                                                                                     
Por Fabrício Mello

Hoje, feriadão de Páscoa, compareceram apenas Renata, Rafael e o acima assinado. Jogamos três jogos:
De primeira, Tokaido, cortesia da nossa ludojornalista siso-deficitária. Belíssimo jogo com estética meio sumi-ê. É um worker placement disfarçado. O mecanismo de relógio que os jogos de wp geralmente têm, neste caso é o próprio caminho entre Kyoto e Tóquio, que compõe o tabuleiro. Jogo light, relaxante, pra jogar tomando chá verde. Entrou para a minha wishlist.

Colocação:
Fab 81 pontos
Rafa 69 pontos
Rê 57 pontos

detalhe das paisagens

Em seguida, foi a vez do Libertália, minha cópia, vendo mesa pela primeira vez. Jogo de cartas bem estratégico, com tema de piratas e seleção simultânea de papéis. Aprovadíssimo por todos.


Colocação:
Fab 77 pontos
Rafa e Rê 72 pontos

Depois que Renata saiu, Rafael e eu fizemos de sobremesa um mini-campeonato de Lost Cities, que dispensa apresentações. Cinco partidas curtas e bem disputadas, o cara pegou rápido o jeito do jogo! Campeonato disputado: ganhei as duas primeiras, mas depois ele pegou a manha do jogo e ganhou duas seguidas. No desempate, eu levei.
Prevejo que esse nosso novo sócio vai dar muito trabalho nos euros pesados que jogamos de vez em quando. Brito prepare-se…

=^^=

Blog de Origem: Desbussolados – fanáticos por boardgames
Link: http://desbussolados.blogspot.com/2013/03/26-27-28-29-e-30-arariboards.html
Autor: Renata Palheiros

Joga da Páscoa by Lenir e Wagner !!!

Neste feriado de Páscoa, resolvemos levar à mesa, alguns jogos que estavam precisando de estréia, e também de alguns clássicos, velhos de mesa !!!
Podemos dizer que a grande estrela e estréia foi o Ora et Labora… Joguinho bem interessante, de coletânea de recursos e uso destes em construções… À princípio, torcemos o nariz por achar “mais do mesmo”, já que conhecíamos o Agrícola e o Le Havre, mas mostrou ser um jogo bem interessante, o que acabou por surpreender. A grande sacada do jogo, é que mesmo seguindo a receita dos seus antecessores, Ora et Labora mostrou ser um jogo surpreendentemente “apertado” para se conseguir realizar as melhores Ações, principalmente do meio para o fim do Jogo… Excelente aquisição para a Ludoteca, e para aqueles que gostam dos jogos do Uwe, recomendamos muito, já que consegue ser único…
Logo depois, resolvemos estrear algo mais leve (Mas nem tanto assim!!!) que é o Hive Carbon… Jogamos 2 partidas relativamente rápidas e este mostrou que deve ser levado à mesa mais vezes, pois trata-se de um joguinho bem peculiar… Simples e cheio de caminhos para cercar a Abelha Rainha adversária !!!
E por falar em Agrícola, este viu mesa novamente e seguiu sua eficiência de sempre… Jogaço !!! Precisamos urgentemente dar um jeito de utilizar as Cartas, já que dará outro enfoque ao jogo, que já é muito bom !!!
E para finalizar as “jogas”, resolvemos colocar um clássico à mesa, The Princes of Florence, que desta vez foi bem apertado, já que as escolhas no começo do jogo, acabou por complicar de vez a vida no final do jogo…
E para finalizar, resolvi “testar” Troyes, mas não jogamos ainda… Será nosso próximo jogo… Mas mesmo no nosso teste, o jogo mostrou a que veio… Esperamos ansiosamente pela estréia, já que mostrou ter uma mecânica bem interessante !!!
Abraços

Tininha observando Ora et Labora !

Agrícola e sua eficiência ! Jogaço !

O clássico The Princes of Florence !

 

Ora et Labora em andamento !

Blog de Origem: Clube do Tabuleiro de Campinas
Link: http://clubedotabuleirocampinas.blogspot.com/2013/03/joga-da-pascoa-by-lenir-e-wagner.html
Autor: Wagner

Trench Chegou ao Brasil

Olá amigos, é com enorme prazer que digo: Trench chegou ao Brasil !!!
Tenho quase certeza que nós do Clube do Tabuleiro de Campinas somos os primeiros a receber o Trench em terras brasileiras. Se não somos, por favor compartilhem a data de chegada ok ?
Primeiro quero dizer que é um prazer termos em mãos um jogo tão bonito, produzido por amigos do velho continente. Sim amigos, caros amigos Rui Alípio e Maria Luísa, mesmo que virtuais, após tantas conversas sobre o lançamento do jogo, sua origem, etc…
Chegou dia 24/03/2013, Domingo !!! Para um jogo especial, um evento especial. Sedex trabalhando aos domingos, quem diria ??
Cansou do xadrez ? Que um jogo estratégico diferente ? Abstrato e bonito para ter exposto na sala ? Quem sabe não te convenço a  conhecer o Trench ?
Trench possui um design diferente, limpo porém impactante.  A Qualidade das peças e seu design chama a atenção. É um jogo de luz e sombra, preto e branco, revelando uma simetria e e o caos, causando ilusão óptica, captando o  desespero e a enervante calmaria entre as batalhas, quando os generais estudam os melhores movimentos.
Trata-se de um jogo idealizado e produzido em Portugal, possui um tabuleiro em formato de losango (um tanto inusitado, pelo menos para mim) e 32 peças divididas em brancas e pretas.
Idade sugerida: a partir dos 10 anos
Jogadores: 2 jogadores
Tempo de jogo: 45-60 minutos aproximadamente.
A peças
Devo admitir que imaginava que o tabuleiro fosse de papelão, comum  aos boardgames. Fiquei surpreso por ele ser de plástico e em uma única peça, sem dobras. Garante maior durabilidade e permite ficar exposto na sala.
A Caixa é rígida, adequada aos componentes e ao tabuleiro. O insert tem uma utilidade, não será jogado fora como nos outros boardgames. Permite que o tabuleiro fique instalado acima dos componentes de forma organizada e sem “apertos”.
As peças vem em saquinhos separados para as peças brancas e pretas.  Tudo muito organizado. O material das peças é plástico, muito bem acabado e com uma manuseabilidade interessante. Parecem peças de um xadrez minimalista. A sensação ou “pegabilidade” é ótima, não são pesadas ou leves demais. Todas possuem a base emborrachada, o que evita deslizamentos indevidos pelo tabuleiro e causa uma agradável sensação de peso, de resistência na peça, pela mesma razão de gostamos das peças de xadrez com feltro e peso na base.
Embaixo de cada peça temos a movimentação estampada, conforme sua hierarquia: representando as patentes do exército de soldado a general.
O manual
O manual tem um tamanho pequeno comparado a qualquer outro jogo de tabuleiro. Vem em cinco idiomas, incluindo o idioma pátrio, o português (de Portugal não o brasileiro). As regras ocupam 13 páginas em português. Direto e preciso no quesito técnico de apresentar o jogo e suas regras, porém apaixonado por sua criação, pela primeira guerra, pela pátria e pelos desdobramentos estratégicos e táticos do jogo, profundamente influenciados pela “A Arte da Guerra” de Sun Tzu.
O jogo
Trench foi concebido seguindo uma linha mestra: retratar uma guerra num campo de batalha com uma trincheira ao meio, e todas as possibilidades e impossibilidades táticas e estratégicas que isso representa. Explicitamente o autor evoca a Primeira Guerra Mundial, onde esse “modelo” de batalha foi amplamente utilizado. As peças representam as patentes do exército: soldado, sargento, capitão, coronel e general.
O Setup
As peças são colocadas no tabuleiro, como uma formação militar romana, em forma de diamante. Veja as imagens abaixo.
As regras
Os jogadores movem-se alternadamente, não é possível “passar” a vez e se movem de 1 a 5 casas, do soldado ao general, respectivamente. Ortogonal e Diagonalmente, sempre  numa linha reta. As pretas começam.
As peças adversárias são capturadas quando estiverem na linha de movimento e dentro do raio de ação da peça.
A trincheira, linha que divide o tabuleiro ao meio, possui regras próprias, adicionando e também limitando as opções estratégicas.
Uma peça na trincheira não pode atacada por uma peça adversária que se encontre no território adversário.
Uma peça na trincheira pode atacar mais de uma peça quando avança da trincheira para o território adversário.
Uma peça na trincheira não pode atacar uma peça adversária que esteja em território amigo
As 2 peças de mais altas patentes (Coronel e General)  podem se mover ao longo da trincheira, mas não podem capturar peças na trincheira.
O jogo termina após 2 partidas, alternando o lado dos oponentes entre as partidas.
Uma partida termina quando todas as peças adversárias são capturadas ou quando em comum acordo decidem terminar a partida após 50 movimentos (25 de cada lado) sem nenhuma captura.
Os jogadores somam os pontos das peças capturadas nas 2 partidas, determinando o vencedor.
Se ocorrer empate, tem-se uma terceira partida, onde o vencedor será o primeiro a conseguir 40 pontos.
“Um grande general não é arrastado ao combate, ao contrário, sabe impô-lo ao inimigo.”
“A Arte da Guerra” de Sun Tzu, tradução de Nikko Bushidô
Quem se atreverá a levantar a cabeça na trincheira e buscar a vitória ?
A glória pode estar do outro lado da trincheia….ou ouvirá apenas um último som: o metal do seu capacete sendo atingido…
Avaliação:
Prós: Jogo abstrati muito bonito, bem produzido, alta qualidade e muito cuidado e atenção dos criadores. Re-jogabilidade alta, regras simples me que podem render grandes jogos.
Contras: Se você não gosta de abstratos, não é pra você. Por enquanto é vendido em Portugal, o que resulta num custo em euros…mais caro que dólares…mas quem sabe alguma loja americana ou brasileira não se empolga em vender ?
Links interessantes:

Blog de Origem: Clube do Tabuleiro de Campinas
Link: http://clubedotabuleirocampinas.blogspot.com/2013/03/trench-chegou-ao-brasil.html
Autor: Fausto

Inaugurado espaço RPG e Board Game Arsenal em Joinville

Conforme já anunciado anteriormente, bem no proposto Dia  Internacional do Tabuleiro, 30 de Março em meio ao feriado da Páscoa  o mais novo espaço para entusiastas de RPG, Boardgame em Joinviile foi aberto ao público. Eu fui conferir, mas confesso, difícil foi levantar cedo, afinal a jogatina da sexta a noite só terminou as duas da madrugada do sábado.

Mas como divulgador do hobby que sou, tinha que fazer o sacrifício. então meio zonzo juntei o material …. é isso mesmo,  lá na Arsenal você encontra jogos de Tércos a venda,  também torres de dados, assim como outras marcas entre elas a Galápagos, OCa Studios que é de Brasília. Segundo conversa com Felipe (um dos sócios), a ideia deles  é abrir espaço para as novas iniciativas nacionais, tanto jogos de tabuleiros como Rpg.

Então o o que é a Arsenal- Hobby- RPG- Arena??

– Uma loja para comprar jogos, livros  e material de RPG, tabuleiros, cartas, dados e  miniaturas;
– Um espaço onde é possível jogar .. a loja  disponibiliza alguns jogos, mesas e cadeiras confortáveis e espaçosas,  mesas para dois jogadores ou até oito e já fala em ampliar o espaço;
– Pequeno espaço bar, aquelas goluseimas indispensáveis nas mesas de jogatina, já estão lá esperando por você;
– Logo logo, a Arsenal pretende estar fomentado campeonatos de jogos, na lista o Catan, aliais é a primeira proposta do pessoal;
– Já falei para eles, repito e vou registar aqui,…. ache um jeito de ser a sede virtual para clubes de jogos;

–Espaço para encontro do pessoal que esta fazendo acontecer os jogos em Joinville e região, divulgação direta e interação com esse pessoal;
– É possível reservar mesas para realizar aquele evento de jogos, um campeonato de qualquer jogo jogável, uma pequena taxa é cobrada pela mesa, valor realmente bem acessível;
–  Apoiá e esta recebendo apoio das iniciativas de pequenos selos, os chamados independentes, um bom exemplo de parcerias, esperamos que seja  cada vez maior;

Também, esteve presente o amigo e Pericliniano de carteirinha Dieter, foi lá conferir, conversar e conhecer a proposta do pessoal, Lógico olhar quais jogos estão lá, o que pretendem fazer e sei que saiu satisfeito e vai ser como sempre um forte agente de divulgação local, professor que é …. os seus alunos vão com toda certeza saber da existência do Arsenal.

Então amigos, Arsenal é este espaço bacana, tranquilo, com pessoas interessantes, povo jovem e bonito, , movidas por um gosto comum. É uma loja… ótimo, é uma opção local onde as pessoas podem achar , jogos , livros, acessórios para jogos. Torço, apoio e espero que seja uma iniciativa de sucesso e que tenha longa e prospera existência.

Aislan ( E), Felipe e Tiago, o pessoal do Arsenal.

Sucesso Pessoal!

Abraço!

Blog de Origem: Mundo do Tabuleiro
Link: http://mundodotabuleiro.blogspot.com/2013/03/inaugurado-espaco-rpg-e-board-game.html
Autor: Hermes

Episódio 19 – Forbidden Island

Finalmente voltamos com as devidas resenhas! E o jogo de hoje é o cooperativo Forbidden Island, uma versão light do Pandemic.

http://www.youtube.com/watch?v=gJHay_XPiXU

Desculpem o loooongo atraso, mas agora vamos voltar ao ritmo. Não deixem de visitar a casa do nosso novo parceiro, o BoardGames.com.br.

A próxima resenha já está gravada e vai ao ar na segunda-feira. Até lá!

Blog de Origem: aBoard Games
Link: http://www.aboardgames.net/2013/03/episodio-19-forbidden-island/
Autor: Delibriand

Mais um teaser – Madeira: Pearl of the Atlantic

É com esta foto que o duo Soledade/Sentieiro continuam a promover Madeira: Pearl of the Atlantic. O jogo é esperado na próxima feira de Essen, em outubro, e promete ser um caso de sucesso. O lançamento do primeiro jogo do duo português está assegurado pela editora What’s Your Game?.

Blog de Origem: JogoEu
Link: http://jogoeu.wordpress.com/2013/03/29/mais-um-tesear-madeira-pearl-of-the-atlantic/
Autor: abruk