Cervejaria Artesanal São Paulo: pra beber e jogar

A Cervejaria Artesanal São Paulo é um lugar bem legal pra tomar com os amigos. Lá tem um cardápio de cervejas variado cheio de boas opções. Pra completar, o lugar tem uma estante com excelentes títulos de board game. De verdade, me surpreendi com a variedade. Além dos analógicos, tem um arcade que dá pra jogar vários clássicos. Algumas fotos do lugar:

Vale a visita!

Rua Paracuê, 141 – Sumaré, São Paulo – SP, 01257-050

#GoGamers

Blog de Origem: Game Analyticz
Link: http://ift.tt/2vaJ8NN
Autor: VINCE VADER

Caylus !


Esta resenha foi, originalmente, postada na boa e velha “Ilha do Tabuleiro”, e estamos colocando novamente ela nas postagens do Blog, para que os novos jogadores possam conhecer este bom e velho jogo… Passado anos depois desta publicação na Ilha e de centenas de novos jogos virem para a coleção, ainda está no meuTop 1…



Fazer uma resenha de um jogo que é meu TOP 1 e procurar não deixar claro isso é complicado! Mas como muitos estão lendo a resenha para saber um pouco mais do jogo, aqui vão algumas palavrinhas…




Do que se trata o jogo?

O Rei estava farto de não ter o que fazer e decidiu então construir um Castelo, e escolheu a cidadezinha de Caylus para por em prática sua decisão… A cidadezinha de Caylus era pequena, tinha poucas construções e devido à decisão do Rei de construir ali seu Castelo, acabou atraindo muitas pessoas para ajudar o Rei a construí-lo e com isso ganhar Prestígio…




Quem são os jogadores?

Estes trabalhadores que partiram para Caylus na busca do Prestígio do Rei são os jogadores… E cada jogador tem 6 trabalhadores e deverá decidir no jogo o que cada um deles deverá fazer em cada rodada… O Prestígio citado até agora transforma-se em Pontos de Prestígio, e este é o objetivo principal de cada jogador: Conseguir o maior número de Pontos de Prestígio… Aquele que conseguir isso será o vencedor da partida…




Mas como consigo os Pontos de Prestígio?

No jogo existem várias formas de conseguí-los… Ajudando na Construção do Castelo, ganhando favores do Rei, aumentando a cidadezinha de Caylus com várias construções, etc…




Mas como faço tudo isso?

Cada jogador possui 6 trabalhadores que, de acordo com a ordem do jogo, vão colocando estes nas construções existentes e, caso estas construções sejam ativadas, o jogador recebe seu respectivo premio da construção…




Mas que premios são estes?

Na verdade usei a palavra “premio, mas não sei se este era o termo correto, mas vamos continuar… Cada construção ativada, dá ao jogador que colocou um trabalhador nela algum ou alguns recursos (Comida, pedra,madeira, roupa ou ouro!) ou alguma possibilidade de ganhar algo como por exemplo ganhar favores do Rei, ter a possibilidade de colocar no jogo outras construções, mudar a ordem do jogo, colocar os trabalhadores pagando o custo mínimo, etc… E como no jogo existem um monte de construções e locais a escolher, não vou aqui especificar cada construção senão essa resenha vai se transformar em um livro, e esta não é a idéia…




Mas que coisa e éssa de ativar construções?

Aqui, você que está lendo esta resenha conhecerá 2 “figurassas” do jogo: O “Bailif “e o “Provost”, nomes complicadérrimos mas que, respectivamente são no jogo o Oficial enviado pelo Rei para agilizar a construção do Castelo (Incorruptível!) e o segundo o fiscal de obras (Subornável!)… E é esta figura (Provost !) que ativa todas as construções que estão no caminho que sai do Castelo e chega até a casa que ele ocupa… À partir da casa seguinte, já não existe a ativação…




Mas porque você escreveu que um é Incorruptível e o outro é subornável?

O Bailif, por ser o enviado do Rei a agilizar a construção do Castelo tem como objetivo andar sempre em frente e é ele que determina em certas condições quando existe as 3 pontuações da construção do Castelo, já que a construção é dividida em 3 partes: Masmorras, Muralhas e Torres… Sempre que o Bailif passar no tabuleiro nas marcações das 3 partes, haverá a pontuação de cada uma, e aqueles jogadores que contribuiram para a sua construção receberão uma premiação… Ele é incorruptível porque ele segue rigorosamente as ordens que o Rei lhe ordenou e os jogadores não podem fazer nada… Já o “Provost” é subornável porque ele determina quais as construções que serão ativadas e, como existem vários jogadores, a posição do Provost torna-se de vital importância aos planos de cada jogador… Porém, cada jogador poderá movimentá-lo no tabuleiro de 1 a 3 casas para frente ou para trás e, para cada movimento deverá pagar 1 Denier (A moeda do jogo!)… Dá pra perceber aqui que a disputa sobre a posição final do Provost é bem disputada… Nas regras existe uma informação que esta é a única parte do jogo onde os jogadores podem entrar num acordo para determinar onde o Provost deverá parar seu movimento, porém, sempre que jogamos por aqui nunca atentamos a esta regra, e sempre os jogadores fazem suas jogadas para se beneficiar e, se possível, ferrar os outros… (he he he)




Peraí!… Quer dizer que existe moeda no jogo?

Sim! Os jogadores no início de cada rodada recebem alguns “Deniers” e aqui vale fazer uma observação importantíssima… Lembram-se quando escrevi que os jogadores posicionam até 6 trabalhadores nas construções a fim de obter algo se estas forem ativadas? Pois é… Isso não é feito de graça não!… Para cada trabalhador colocado em uma construção, o jogador terá que pagar 1 Denier… Além disso, depois que todos os jogadores colocaram seus trabalhadores nas construções, haverá a movimentação do maldito Provost pagando 1 Denier por movimento… Aí vocêr podem perguntar: Mas quantos Denier eu tenho no jogo? Poucos… Pouquíssimos… Pouquérrimos, o que faz muitas vezes você não colocar todos os trabalhadores por não ter dinheiro… Aqui, o jogo mostra-se a que veio porque terá que administrar bem seu rico dinheirinho, senão poderá ter problemas…  Agora vem uma das coisas que considero excepcional nas regras que é a travessia da ponte…




O que? Travessia da Ponte? Que é isso?

Bom, no início do jogo existe uma ordem dos jogadores que é feita por sorteio… Daí pra frente, esqueça esta ordem, mas esqueça mesmo, porque ela altera inúmeras vezes ao longo do jogo de acordo com as estratégias de cada jogador… E muitas vezes ser o primeiro a jogar, é fator primordial para conseguir determinado recurso ou conseguir algum favor que lhe interesse… Como já escrevi, cada jogador, alternadamente vai colocando 1 trabalhador conforme seu interesse pagando 1 Denier por isso, até que um jogador decide não colocar mais trabalhador… Independente da ordem que seja este jogador, seu marcador da ponte desloca-se para baixo da ponte (Olhe o tabuleiro e entenderão!) ocupando o 1º lugar e, por esta ação, recebendo 1 Denier de bonificação… Reparem que este jogador poderá ser o último que estava em cima da ponte… O mesmo acontece com os demais jogadores, porém sem receber o Denier da bonificação… Esta ação de passar altera completamente a  ordem do jogo para a fase seguinte nesta mesma rodada… Por isso considero uma saída muito bem feita do autor do jogo, para modificar a ordem dos jogadores…




Quer dizer que a ordem dos jogadores na rodada seguinte será a ordem que está debaixo da ponte? 

Nem sempre! Numa das construções, existem espaços numerados de 1, 2 e 3, e caso nenhum jogador coloque trabalhador nesta construção, então a ordem da rodada seguinte será a ordem que está estabelecida debaixo da ponte… Então, desloca-se os marcadores para cima da ponte obedecendo a ordem… Porém, se algum ou alguns jogadores colocarem trabalhadores nesta construção, este ou estes serão os primeiros seguido pelos demais conforme a ordem debaixo da ponte… Aqui vale uma explicação sobre a quantidade de mudança de posições durante o jogo, pois no início da rodada existe uma ordem, depois que todos passam e não colocam mais trabalhadores nas construções poderá existir outra ordem debaixo da ponte e por fim, esta ordem poderá ser alterada conforme expliquei sobre esta construção… É primordial para cada jogador, estabelecer que posição mais lhe interessa e como fazer para que se consiga chegar a esta posição na ordem… Nas regras, não existe “debaixo da ponte ” e sim “ordem de passagem” que é a mesma coisa… ok?




Você falou de recursos? Para que servem?

No jogo existem 5 recursos: Comida, Roupa, Pedra, Madeira e Ouro, que podem ser conseguidos colocando trabalhadores em determinadas construções…  Mas para que servem? Primeiro para ajudar a construir o Castelo (Masmorras, Muralha e Torre!) pois, para ajudar a construi-las é necessário você oferecer ao Rei um lote de 3 recursos diferentes, sendo que Comida é obrigatória… Para cada lote oferecido você ganha Pontos de Prestígio conforme a fase que está sendo construida (Masmorras, Muralha ou Torre!), e quando os espaços destinados a esta construção for preenchido totalmente ou quando o Bailif (Olha ele aqui!) chegar no espaço destinado a pontuar, faz-se a pontuação, e aquele jogador que mais contribuiu em determinada construção (Masmorras, por exemplo!) ganhará 1 favor Real… Além disso os recursos são utilizados para a colocação de outras construções no tabuleiro, pois cada uma delas exige uma quantidade específica de recursos…




Mas que raio de Favores do Rei são esses?

Existem vários e várias formas para conseguir um Favor do Rei… Ou ajudando a construir o castelo, ou conseguindo favor através de construções… Existem város favores que podem ser: Aumentar Pontos de Prestígio, Ganhar  mais Deniers, Ganhar recursos, Diminuir recursos para colocação de determinadas construções, etc… E o interessante é que cada jogador, quando ganha um Favor Real, escolhe qual mais lhe interessa…




O jogo termina quando o Bailif (Olha ele aqui de novo!) chega no final do tabuleiro, que na verdade é um caminho que sai do Castelo e vai passando pelas construções…  ou quando as 3 partes do Castelo forem construidas (Masmorras, Muralhas e Torres!)…  Faz-se uma pontuação final dos Pontos de Prestígio de cada jogador e aquele que tiver mais pontos vence!

Considerações finais:

Primeiro, escrevi demais!!! Segundo, Caylus é um jogo muito bem elaborado, muito bem amarrado, muito bem equilibrado… E com uma mecânica que considero excepcional! Dificilmente encontrarão uma mecânica tão bem elaborada quanto este jogo! Existem muitas críticas para este jogo, principalmente quanto à sua complexidade… Mas para aqueles que conhecem o jogo sabe que isso é “conversa para boi dormir “… O que vejo no jogo é que cada jogador tem um leque de opções muito grande do que fazer… Muitos caminhos a seguir… Muitas estratégias a elaborar… E isso, para muitos jogadores, acabam por assustar um pouco, principalmente pelo desconhecimento dele… A curva de aprendizagem do jogo, faz com que seja preciso realizar várias e várias partidas para “pegar” o jeitão do jogo… Mas uma vez que “pegou” perceberão que de complexo não existe nada… O problema está mesmo em vencer, porque assim como você tem “n” possibilidade de caminhos a seguir, os outros jogadores tem também! Cada jogador tem sua opinião sobre os vários jogos que existem no mercado, mas Caylus é meu TOP 1 e ainda não encontrei um jogo que se equiparasse a ele… Para mim é um jogo acima da média dos jogos bem feitos (Puerto Rico, Agrícola, Dominion, entre outros ótimos jogos!)… Nas primeiras partidas, o tempo do jogo também deve assustar um pouco, pois levamos por aqui algo em torno de 4 a 5 horas… Porém, depois de realizar várias delas, conseguimos um incrível equilíbrio do tempo que é 3 horas… Para quem não conhece, Caylus parece confuso com muitos marcadores, mas para quem conhecem minimamente o jogo, de confuso não existe absolutamente nada! Recomendo jogá-lo não uma vez, mas várias, pois assim irão descobrir os motivos que me levaram a colocá-lo no topo do meu Ranking!

Jogo altamente recomendado !

Blog de Origem: Clube do Tabuleiro de Campinas
Link: http://ift.tt/2uweefv
Autor: Wagner