Tabuleiro Virtual : Through the Ages

Durante a GenCON o grande amigo Leonardo Rota-Rossi perturbou o próprio Vlaada e conseguiu acesso ao beta do app para um dos seus maiores sucessos, o Through the Ages, e agora ele fala um pouco da experiência com o jogo e o que podemos esperar. 

Through the Ages é um jogo bastante diferente: um jogo pesado de civilização, com quase tudo que você pode esperar num jogo desse tipo: população, produção, tecnologia, exércitos, eventos, eras e por aí vai.

Como eu disse, quase tudo: quando foi lançado, a grande polêmica: “Como assim, um jogo de civilização SEM MAPA? Não tem como ser bom!”.
Mas é. Hoje catalogado no BGG com duas versões diferentes (a nova edição traz mudanças de regras suficientes para justificar uma segunda entrada e é a versão lançada no Brasil pela Devir), ocupa atualmente a 2ª e a 18ª posições do ranking de melhores jogos mesmo sendo um jogo com uma grande quantidade de coisas a controlar, com tabuleiros que mais parecem planilhas, cheio de marcadores, cartas, contadores.
E a CGE, editora do jogo, decidiu assumir o desafio de converter o jogo para versão digital, jogável em smartphones e tablets. E vou dizer: estão fazendo um bom trabalho.
A versão beta está bem redondinha, ainda com alguns problemas de consumo de energia e de interface, mas o ​ rodando muito bem. A interface é bastante intuitiva, e apesar da infinidade de fatores a serem controlados, eles ficam bastante acessíveis, onde você espera clicar.

Para quem já jogou, mesmo a interface não tendo muito paralelo com o tabuleiro, é muito fácil associar o que você está vendo na tela com os componentes do jogo. E para quem nunca jogou, o tutorial faz um bom trabalho de explicar como o jogo funciona passo-a-passo, sem sobrecarregar quem está aprendendo. 

O jogo está na fase final de desenvolvimento (tem data prevista de lançamento para meio de setembro), atualmente suporta single player com 3 níveis de AI, cenários pré-definidos (com desafios extras), e jogo em rede (inclusive com diversas opções de periodicidade: você pode jogar de forma síncrona, ou jogar com calma e ser notificado quando for sua vez de fazer uma nova jogada). Está previsto para o lançamento também suporte a pass-and-play. 

Essa postagem foi escrita pelo amigo Leonardo Rota-Rossi.

Blog de Origem: E aí, tem jogo? – A sua página sobre jogos de tabuleiro moderno.
Link: http://ift.tt/2eLIJJi
Autor: Cacá

A nossa casa – Mesaboardgames

A Mesaboardgames revelou uma imagem da novidade, que certamente será um sucesso, tendo em conta o enorme sucesso de vendas das suas diferentes versões Europa: A nossa casa.

21316289_1658554054178544_5407388573314104360_o

Image Mesaboardgames

A nossa casa é um jogo de Klemens Kalicki com ilustração de Bartłomiej Kordowski para 2 a 4 jogadores com mais de 7 anos e uma duração a rondar os 20 a 40 minutos.

A nossa casa (Dream Home) é um jogo familiar de construção de uma casa e depois apetrechá-la com móveis e afins. Ao longo de doze rondas, os jogadores colecionam pares de cartas, uma divisão da casa e um acessório (teto, móvel ou ferramenta) e colocam-nas no seu tabuleiro individual, creando assim a sua casa de sonho!

c484a5bc3dec20d5

Image Mesaboardgames

O jogo tem um custo anunciado de 35€ e pode ser encomendado na loja da editora portuguesa AQUI.

 

Blog de Origem: JogoEu
Link: http://ift.tt/2goS1Lg
Autor: abruk