Shiftago – Wiwa Spiele

Um jogo de Robert Witter
e Frank Warneke, para 2 a 4 jogadores, a partir dos 8 anos, com a duração de 45
minutos.

Conteúdo

1 Tabuleiro

22 Bolas de cristal laranjas

22 Bolas de cristal
azuis

22 Bolas de cristal
brancas

4 Marcadores vermelhos

4 Cartões de pontuação

Conceito do jogo

A ideia é organizar as
tuas bolas na vertical, horizontal ou na diagonal, o mais rápido

Blog de Origem: Dream With Board Games
Link: http://ift.tt/2xFnuA4
Autor: dreamwithboardgames

Anúncios

Campanha Imperial Assault – 3ª Sessão

Para essa terceira aventura de Imperia Assault, o nosso grupo de rebeldes foi enviado a uma instalação Imperial, comandada pelo General Weiss em um planeta com onde o Império estava com muitas tropas.

A nossa missão era entrar, recolher dados em três computadores e tentar sair do planeta antes de sete rodadas, mas sabíamos que a missão ia ser complicada, pois os terminais estavam muito longe uns dos outros, então não daria para irmos em grupo.

Ao nos separarmos o meu wookie foi na direção de um dos terminais com a cobertura de um dos nossos atiradores para dar conta de dois probe droids, os outros dois foram dar cabo de um nexu chato que estava tomando conta de uma das portas de acesso a outro terminal.

O lance dessa missão é que qualquer rodada que você precise gastar sem chegar mais perto do seu objetivo, faz com que a coisa fique cada vez mais tensa, e nessa sessão o Império tava com uma mão bizarra nos dados, tanto atacando quanto defendendo.

Mapa grande, terminais longe,
essa missão tinha tudo pra dar errado.

Os probe droids além de estarem demorando pra caramba para morrer, ainda conseguiram ferir o wookie que chegou até uma das portas de acesso do terminal já pelas tabelas, só para conseguir abri-la e descobrir um nexu esperando para finalizar com nosso rebelde peludo.

Com os quatro jogando já estava difícil, com menos um a coisa ficava cada vez pior.

Conseguimos acessar um dos terminais, mas chegando ao quinto turno apareceu um AT-ST modificado, e aí a coisa só desceu a ladeira.

O que já estava ruim, ficou pior com
a chegada de um AT-ST modificado.

O Fenn, nosso veterano, também foi ferido, mas conseguiu acessar o segundo terminal, a Jyn, que tinha entrado no primeiro terminal estava muito longe do terceiro, e o Mak estava tentando sobreviver e chegar ao último terminal.

Mas nossos esforços foram em vão, terminada a sétima rodada conseguimos só parte da informação da nova arma que estava sendo desenvolvida pelo Genaral Weiss, formos resgatados e depois de duas missões de sucesso, finalmente o Império teve êxito.

Dessa vez o “tanque” não aguentou.

Blog de Origem: E aí, tem jogo? – A sua página sobre jogos de tabuleiro moderno.
Link: http://ift.tt/2xA5neY
Autor: Carlos “Cacá”

Geekbuzz Essen 2017

A rivalizar com a listagem da Fairplay está o ranking do BGG denominado Geekbuzz.

O posicionamento final dos jogos deste ano ficou assim ordenado:

The Buzz from SPIEL ’17
1 Azul
2 Charterstone
3 Altiplano
4 Clans of Caledonia
5 Fog of Love
6 Dragonsgate College
7 Photosynthesis
8 Noria
9 Anachrony
10 Agra

Neste ranking temos como denominador comum (comparativamente com o ranking da Fairplay) os jogos Azul, Altiplano, Clans of Caledonia e Noria. Curioso que na lista do BGG o jogo Agra figura em 10º lugar.

Agora começa o tempo de experimentar as novidades, e está já aí uma boa oportunidade para o fazer (InvictaCON 2017).

 

Blog de Origem: JogoEu
Link: http://ift.tt/2yTRY5l
Autor: abruk

Fairplay scout aktion – ranking Spiel 17

Já é tradição a revista Fairplay elaborar uma consulta, junto dos participantes na feira de Essen, para descobrir quais os que mais agradaram ao público. Este ano esta lista ficou assim ordenada:

dnt6bmexuaeg0nw De todos os títulos só o Memoarrr! me surpreende estar nesta lista final. Depois há a surpresa por não ver jogos como Agra, Nusfjord ou Lisboa na listagem final, mas enfim, jogos mais complexos não entram com tanta facilidade na lista pois demoram mais a jogar e há menos público a votar neles.

Blog de Origem: JogoEu
Link: http://ift.tt/2gSluBs
Autor: abruk

DAMAGE UNLIMITED: sempre bom voltar em lugares legais

Semana passada estive visitando mais uma vez a Europa Central. A convite da PANEURÓPSKA VYSOKÁ ŠKOLA (universidade eslovaca que cursei parte do meu doutorado) fui fazer uma série de aulas e palestras; baita honra estar lá novamente para um papo tão bom. No intervalinho de um dia que tive, fui visitar Vienna – que fica, de trem, 50 minutos da Brastislava.

Vienna é uma cidade foda. Cheia de bons museus, boa comida, boa música e paisagens incríveis. Vienna também é o lar da DAMAGE UNLIMITED, uma senhora loja de games que tive a oportunidade de falar dela aqui e aqui.

A loja está sofrendo uma reforma e está apenas com um terço de sua estrutura. Antes havia uma área com roupas para cosplay, área de RPG e – acreditem – uma parte de bebidas temáticas medievais (!). Por conta dos reparos a loja está só com a área de board games (que é o foco do negócio).

Preços salgadíssimos (como tudo na Áustria), mas dar uma olhadinha e comprar uma lembrancinha não mata, né? Fora que o atendimento é muito bom.

O grande lance da loja é que ela fica realmente perto do quarteirão de museus da cidade. Uma área sensacional da cidade.

Fica esta última imagem para matar saudade dessa bela trip. Finalzinho de tarde tomando um vinho na rua. =)

#GoGamers

Blog de Origem: Game Analyticz
Link: http://ift.tt/2yUGY7W
Autor: VINCE VADER

Hero Realms

Hero Realms é um jogo de deck-building que traz para o cenário de fantasia medieval o grande Star Realms, trazendo elementos novos ao seu antecessor espacial.

Em Hero Realms cada jogador (que podem variar de 1 a 4) começa com um baralho de 10 cartas que são divididas em ações de ataque e cartas de moedas para compras.

Como na maioria dos deck-buildings, a cada rodada compramos uma mão de (5) cartas e com elas estamos aptos a fazer a nossa rodada, que varia entre atacar os adversários e/ou comprar novas cartas para o nosso deck.

Sua mão de cartas para resolver a rodada.

No Hero Realms o sistema de compras é através da esteira de cartas, o que significa que você tem dispostas cartas para serem compradas, paga os valores referentes a ela e abre uma nova carta nesse display.

Uma das mudanças bacanas do Hero Realms em relação ao Star Realms (além do tema que eu particularmente prefiro) foi a adição dos “guards”, que são campeões que você coloca a sua frente para te proteger dos danos e que precisam ser eliminados para que os adversários possam começar a dar danos em campeões as vezes mais fracos.

O pack de classes, itens obrigatórios.

Isso te dá uma segurança legal ao passo que você vai baixando mais campeões com essa habilidade, e além deles temos cartas de ações imediatas que ajudam nessa tarefa de minar as defesas dos “amiguinhos” até que consigamos tirar pontos diretos.

Uma coisa que eu achei imprescindível no Hero Realms (e não vem na caixa básica) é adição dos Hero Packs.

Existem cinco packs diferentes, e em cada um deles temos uma mão inicial diferente e poderes exclusivos de cada classe, que fazem com que o jogo fique ainda mais interessante com a assimetria entre os jogadores, e te dão um rumo na hora de você escolher quais cartas priorizar na compra.

Versão todos contra o chefão é divertida também.

Uma outra coisa que eu achei bacana foi a opção de jogar todos contra um chefão, mas apesar de ser uma alternativa legal do jogo, ele brilha mesmo nos combates entre os jogadores.

Hero Realms é um jogo fluido, divertido, rápido e que com certeza vai agradar a quem é fã de bons jogos de cartas e principalmente a quem curte jogos de deck-building (e bem poderia vir para terras brasileiras todo traduzidinho).

Blog de Origem: E aí, tem jogo? – A sua página sobre jogos de tabuleiro moderno.
Link: http://ift.tt/2xsrZht
Autor: Carlos “Cacá”

Nmbr9

Eu sou fã declarado de jogos abstratos, e acho incrível o que se consegue fazer com poucos componentes, regras enxutas e criatividade, então fui muito curioso jogar o Nmbr9, recém lançado pela Devir.

No jogo, basicamente, precisamos empilhar tiles para conseguirmos o maior somatório de pontos, os tiles tem formatos bizarros (tipo Tetris) e são numerados de 0 a 9 e cada jogador vai empilhar exatamente 2 de cada.

Existe um deck com 20 cartas, a cada turno uma carta é aberta com um dos números aparecendo, e todos os jogadores simultaneamente precisam colocar o tile daquele número na sua pilha.

Esquema, puxa carta, coloca tile.

Existem regras para essas colocações, mas basicamente você vai subindo os andares, não podendo deixar buracos embaixo dos tiles superiores, tendo que cobrir ao menos dois tiles quando subir um andar e não deixando partes do tile superior sem algum apoio.

E o brilhantismo do Nmbr9 está na pontuação, você multiplica o valor do tile, pelo andar em que ele está, sendo que a base vale 0, o primeiro andar multiplica por 1 e assim sucessivamente.

Como bem diz o manual, como todos jogando ao mesmo tempo, você até pode copiar o desenho do coleguinha, mas ambos vão ter a mesma pontuação, e qual será a graça?

Então o grande barato é tentar fazer seus malabarismos para conseguir pontuações sempre maiores, e apesar da quantidade pequena de tiles, tentar fazer com que a sua pontuação seja boa precisa de uma visão espacial apurada, e a ordem com que saem os números não ajuda muito nesse planejamento, é uma questão de se adaptar ao momento.

Nmbr9 além de todos esses pontos positivos, dura uns 20 minutos, tem uma caixa com um insert perfeito e está no mercado com um preço ótimo, tipo, não existe nenhuma razão para você não ter esse jogo na sua coleção!

Blog de Origem: E aí, tem jogo? – A sua página sobre jogos de tabuleiro moderno.
Link: http://ift.tt/2zNZAE7
Autor: Carlos “Cacá”